Breve história da AMLB

Em setembro de 1997, médicos de ascendência libanesa formaram o Grupo Hakim, inspirados nos valores morais e éticos, tanto de suas culturas milenares quanto da profissão que abraçaram. O grupo desenvolveu atividades, cresceu e seus integrantes acabaram fundando, em 27 de julho de 2005, a Associação Médica Líbano Brasileira. Porém, a história começa lá atrás, na segunda metade do século dezenove

Em 1860, Dom Pedro II, em visita ao Oriente Médio, ficou impressionado com a hospitalidade do povo do Líbano e abriu as portas das primeiras imigrações para o Brasil. Esses imigrantes pioneiros juntaram-se aos bandeirantes, que desbravaram cidades do interior se fixando nelas. Dessa maneira, o imperador lançou as sementes, através desses recém-chegados imigrantes, não apenas para o comércio, mas principalmente implementando a idéia de integração nacional. Uma vez integrados à sociedade, libaneses fundaram empresas, escolas, bancos e principalmente clínicas e hospitais.

Não há quase nenhuma capital ou cidade do interior do Brasil em que não haja as marcas de um imigrante libanês ou de seus descendentes, alavancando progresso. Foi assim que Nagib Fares Michalany, graduado em medicina pela antiga Escola Protestante, atual Universidade Americana de Beirute, chegou ao Brasil, após passagens pelo Exército Otomano no Sudão e no Egito. Isso aconteceu em 1884. Outros patrícios seguiram os mesmos passos, tais como:

Dr. Fadlo Haidar (1895-1976)

Dr. Negib Khalil Scaff (1887-1955)

Dr. Nicolau Salim Assali (1912)

Dr. Suleiman Ide Freihah (1888-1969)

Dr. Chucri Zaidan (1891-1980)

Dr. Elias Mikail Khair (1888-1968)

Dr. Wadih Safady (1898-1965)

Dr. Miguel Gebara (1901-1967).

 

Em 1997, foi criado o Grupo Hakim, a partir da iniciativa os médicos Robert Nemer, Assad Frangieh, Toufic Sleiman, Sarkis El-Bayeh, Ismeil Rajab, Raul Cutait, Marcos Rassi, Fares Abdulmassih, Mohammad Ammar, Renato Assad, entre outros.

Inicialmente restrita a jantares e encontros de confraternização, à partir de 2017 a AMLB ganhou força sob a Presidência do Dr. Renato Assad, alcançando grande destaque na comunidade médica nacional e internacional, culminando com a formação do grupo SAHA para atendimento filantrópico aos refugiados, no Hospital do Coração - HCor - em São Paulo, em parceria com a ONG Compassiva.

Em 2019, sob a Presidência do Dr. Robert Nemer, a AMBL consolidou as reuniões científicas periódicas e teve participação fundamental no envio de  materiais médico-hospitalares, alimentos e insumos para o Líbano, após a grande explosão no porto de Beirute, em 4 de agosto de 2020, que deixou centenas de mortos e milhares de desabrigados.